Terça-feira 17/07/2018

Fundos de Tela

» Download

| printImprimir | Email E-mail | Share

Nossa Senhora Aparecida

Origens da devoção

O Conde, os pescadores e uma imagem

Rezam as crônicas da época que em 1717 Dom Pedro de Almeida Portugal e Vasconcelos, Conde de Assumar, Governador das Capitanias de São Paulo e Minas Gerais, com grande comitiva, viajou de navio da Corte a Santos. Daí, a cavalo, subiu até São Paulo, onde tomou posse do governo, e seguiu rumo às minas de ouro.

Em Guaratinguetá, permaneceu de 17 a 30 de outubro. O Conde foi recebido com a pompa e a circunstância possíveis,pescadores encontram a Imagem de Nossa Senhora.jpg incluindo suculentos banquetes, em que os habitantes lhe proporcionaram o melhor da culinária local.

Não podendo faltar os saborosos pescados do Rio Paraíba do Sul, a Câmara Municipal convocou os mais experientes pescadores para lançar as redes, pois era necessário boa quantidade de peixes. Domingos Alves Garcia, seu filho João Alves e Felipe Pedroso, cunhado de Domingos e tio de João, entre outros, puseram as mãos no remo. Mas, por mais que se esforçassem, os animais aquáticos não queriam aparecer. Apareceu, sim, na rede de João Alves, primeiramente o corpo de pequena imagem de Nossa Senhora, e depois, mais abaixo, a cabeça da mesma!

- Isso será um sinal? Católicos zelosos que eram, guardaram na canoa o precioso achado, e continuaram lançando as redes.

Surpresos, viram repetir-se o fato de dezoito séculos atrás no mar da Galiléia: a canoa se encheu de tanto peixe que quase afundou! Os bons ribeirinhos logo atribuíram essa pesca milagrosa à presença da imagem de Nossa Senhora da Conceição, em boa hora aparecida no rio, na altura do Porto de Itaguaçu.

O que ocorreu "tem todas as condições para ser a descrição de um fato real, um milagre. (...) É certo que para aqueles pescadores acontecera algo de extraordinário, tanto assim que recolheram os dois pedaços da imagem e os guardaram. Sem dúvida, houve um sinal visível de Deus e os pescadores acreditaram nele."

O milagre das velas e outros prodígios

MILAGRE APARECIDA.........jpgFelipe Pedroso, por ser o mais velho, levou para casa a imagem, diante da qual ele e a família começaram a rezar, dando início a uma sequência de fatos extraordinários que se repetiriam até hoje.

O primeiro milagre atribuído à imagem se deu numa noite serena e silenciosa: enquanto a família e vizinhos "cantavam o terço", duas velas se apagaram sem que ninguém as soprasse, e se acenderam sem que pessoa alguma colocasse fogo nelas.

"A luz daquelas velas, que se reacenderam miraculosamente naquela noite, iluminou seus corações e despertou neles grande amor e devoção para com Nossa Senhora."

Era costume naquela época de robusta fé, as famílias vizinhas se reunirem aos sábados à noite para rezar o terço e outras orações, e entoar cânticos em louvor da Imaculada Conceição de Maria. Nessas reuniões familiares, além do relatado acima, houve várias manifestações extraordinárias: o nicho com a imagem passou a tremer, esta quase caiu e as velas se apagaram; no móvel onde se encontrava a imagem, várias pessoas ouviram estrondos, repetidas vezes.

Tesouro para o povo brasileiro

Além dos três pescadores já citados, há outras pessoas muito relacionadas com os primeiros fatos originários da NSRA APARECIDA..................jpgdevoção à imagem, e são citados em documentos daquele tempo: Silvana da Rocha Alves, esposa de Domingos, mãe de João e irmã de Felipe; Atanásio Pedroso, filho de Felipe, e Lourenço de Sá. Todos eles viviam na região do encontro da Imagem, e com suas famílias, foram os primeiros a lhe prestar culto". A imagem peregrinou durante bom tempo pelas casas dos pescadores, até se fixar em Itaguaçu, lugar do seu encontro, na residência de Atanásio Pedroso, que construiu-lhe um oratório e um altar de madeira, onde, todos os sábados, grupos de famílias iam rezar o terço. Era a maneira da devoção popular mostrar seu amor e gratidão à excelsa Mãe e suplicar-Lhe proteção. Concomitantemente foram aparecendo adornos na imagem, como mantos e coroas, cada vez mais elaborados à medida que aumentavam os devotos.

"Em Itaguaçu, Atanásio Pedroso recebeu de seu pai a Imagem como legado de família. Percebe no entanto, anos depois, que ela não mais lhe pertencia. (...) Ao lhe construir um oratório e um altar, Atanásio mal se dava conta que estava entregando seu tesouro para o povo brasileiro. Daí em diante a Imagem não seria objeto de uma devoção familiar apenas, mas sim do culto de uma Nação. Devoção esta que marcaria profundamente sua religiosidade e contribuiria para conservar a fé e sua fidelidade à Igreja", como veremos mais adiante.

A imagem representa a Imaculada Conceição, é de terra cota, medindo 38cm., mas nunca se soube ao certo qual sua origem. Sendo uma escultura artesanal, tem nos lábios um discreto sorriso, no queixo uma covinha; flores prendem-lhe os cabelos, e um diadema com três pérolas enfeita-lhe a testa. A seus pés a meia lua e a cabeça de um anjo.

A capelinha

Primeira Capelinha.........jpgOs milagres reforçaram enormemente a nova devoção popular, já com a invocação de Nossa Senhora da Conceição Aparecida.

As casas ficaram pequenas para os muitos devotos, e com o apoio decisivo do Padre José Alves Vilela, Pároco da Paróquia de Santo Antônio, de Guaratinguetá, foi construída uma capelinha. Era situada no Itaguaçu, à beira da estrada, num importante entroncamento por onde passavam constantemente caravanas de viajantes. Isso favoreceu a divulgação dos prodígios, aumentando rapidamente o número de devotos.

Mas o fator decisivo mesmo era o lenitivo espiritual. "Formou-se a religiosidade dum povo, que invocando-a sentiu que a chama de sua fé, à semelhança da chama das velas do primitivo oratório, sempre se reacendia novamente com as graças e os dons recebidos".

Correntes da escravidão se estratelam no chão!

Assim como São Pedro na prisão teve as correntes arrebentadas e foi libertado (At 12, 3-7), no final do século dezoito "um escravo fugitivo, que estava sendo conduzido de volta à fazenda pelo patrão, ao passar diante da Capela, pediu-lhe que permitisse subir até à igreja para fazer oração. Enquanto estava em oração diante da Imagem, as correntes se soltaram de seu pescoço e de seus pulsos, caindo por terra. Comovido com o sucedido, o fazendeiro o resgatou, depositando no altar o preço do escravo, e o conduziu para casa como um homem livre".

A queda das pesadas correntes que prendiam o escravo Zacarias pelo pescoço e pelos pulsos é um eloquente testemunho do poder de intercessão de Maria Santíssima para desatar das prisões do pecado as pessoas arrependidas.

Consolidação da devoção

Devoção mariana, igreja, povoado

Tal como o caminhar da gota de azeite na folha de papel, a devoção mariana sob a nova invocação foi ganhandoSantuario_nacional.jpg espaço no mapa brasileiro. Isso significava mais romeiros apinhados na tosca e pequena capela.

E sinalizava, por outro lado, que já tinha chegado a hora de se conseguir a aprovação episcopal do culto a Nossa Senhora Aparecida, bem como autorização para se construir sua igreja. O zeloso Pe. Vilela se pôs a campo, conseguindo as ditas licenças, e o novo templo foi levantado no Morro dos Coqueiros, sendo inaugurado em 1745, apenas 28 anos após o encontro milagroso da imagenzinha.

De casa nova, nossa Santa continuou a acolher as famílias devotas: adultos, jovens, crianças, gente simples, gente importante. Até a Princesa Isabel, o Conde d'Eu seu marido e os três filhos se associaram às Marias, aos Josés, às Joanas, aos Manuéis, às Aparecidas que começavam a surgir, para saudar a augusta Anfitriã, beijando a imagem e rezando o terço a seus pés. Como quem procura a Mãe encontra também o Filho e José, era a Sagrada Família de Nazaré acolhendo as famílias brasileiras!

Mas algumas não se contentaram só com visitas. Optaram por morar pertinho da Mãe, surgindo assim o povoado "Capela da Aparecida", hoje cidade de Aparecida (sem 'do Norte'). O já citado Pe. Vilela testemunha que a Virgem favoreceu a todos os moradores com muitas graças e milagres. Em 1748 sacerdotes pregadores destacaram que os frutos das missões nesse povoado foram dos melhores: "(...) a alegre e jubilosa esperança de salvação que todos encontram em Cristo pela intercessão de Nossa Senhora Aparecida".

Romarias de todas as partes

ROMARIA APARECIDA.jpgAs romarias que se iniciaram no tosco oratório do Porto de Itaguaçu, continuaram, a partir de 1745, na igreja do Morro dos Coqueiros, que a voz do povo batizou de santuário, bem antes desse título ser conferido pela autoridade competente. Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná, Mato Groso e Bahia eram as origens mais frequentes das peregrinações. Montados em cavalos ou mulas, "pais e filhos, parentes e amigos vinham unidos no mesmo propósito de honrar e venerar a querida Imagem".

Personalidades estrangeiras de destaque como o cientista alemão Karl von Martius, o botânico francês Augusto de Saint Hilaire e o jornalista português Emílio Zaluar deixaram depoimentos escritos, atestando a existência das romarias e o consequente poder de atração da imagem. Em 1861, Zaluar "notou a fé e a alegria contagiante da multidão dos peregrinos. E deu a razão, escrevendo: 'A Imagem de Nossa Senhora Aparecida, que refulge no altar-mor, parece sorrir a todos os infelizes que a invocam, e a quem jamais negou consolação e esperança'."

Em 1884, a 4 de janeiro, o jornal "Correio Paulistano" estampou matéria sobre as romarias oriundas de todo o Império, ressaltando o articulista as saudades que ele sentia do tempo de menino, participando daquelas pias viagens junto com sua família: "Antigamente as Romarias à Capela da Aparecida tinham muito de pitoresco; eram as famílias que se moviam lentamente com os filhos pequenos, os pagens, os camaradas, as mucamas, e o armazém ambulante às costas dos cargueiros". E observa que, com as mudanças nos hábitos causadas pela estrada de ferro, "acabou-se o encanto daquelas pias viagens".

A nova devoção, refúgio para o povo

O sentido espiritual das idas à Capela era muito marcante. Buscava-se curas físicas, é verdade, mas o principal motivo era a devoção, o cumprimento de promessas, exteriorizados com gestos e atitudes: beijar a imagem, aproximar-se de joelhos até o altar, limpar a igreja, percorrer de joelhos a rua que dá acesso à mesma, viajar em silêncio, observar jejum, dar esmolas ou jóias à Capela, ajudar os pobres.

Costume curioso: pessoas de posses faziam a promessa de dar a Nossa Senhora um de seus escravos, caso NSRA APARECIDA_1.jpgalcançasse a graça desejada. Conseguido o favor, o cativo era libertado e ficava fazendo, de muito boa vontade, trabalhos agrícolas ou outros para o Santuário; alguns que tinham dotes musicais abrilhantavam as cerimônias, pois chegavam a ser organistas "de orelha", ou seja, sem nunca ter estudado música.

Em 1897 um douto sacerdote, Pe. Valentin von Riedl dá esse importante testemunho: "É comovente verem-se senhores e senhoras assistirem de joelhos até três missas em cumprimento de promessa; mais ainda, quando se arrastam de joelhos até o altar da Virgem, ou varrem a igreja, ajuntando as ricas senhoras na ponta de seus longos vestidos o lixo e levando-o para fora. De fato é uma fé viva e filial, havendo casos de famílias se privarem de tudo para dar a Nossa Senhora, (...) uma devoção generosa, um amor pronto aos sacrifícios".

E continua seu comentário, ressaltando a influência do culto na vida do povo, afirmando que Maria domina de fato, como Senhora, toda a região, e que "esse amor e essa devoção foram a proteção contra a descrença e se tornaram o filão de ouro de sua perseverança na fé católica. Sem esta devoção, teria o povo caído na mais completa indiferença religiosa.' (...) A razão fundamental, porém, foi a mensagem de esperança e salvação que a Mãe de Deus comunicava a seus filhos abandonados e carentes de assistência religiosa. (...) o povo se refugiou na devoção a Nossa Senhora Aparecida".

Historicamente - segundo o Pe. Brustoloni - essa falta de assistência religiosa se deveu, pelo menos em grande parte, ao fato de que o Estado, durante quase um século, interferia nos assuntos da Igreja no Brasil, limitando-lhe a liberdade. O governo das dioceses, paróquias e ordens religiosas, bem como a formação de novos sacerdotes ficaram prejudicados, o que dificultou o desabrochar da vida cristã do povo.

Citemos dois exemplos da própria Capela da Aparecida:

1) o dinheiro das generosas esmolas dos devotos era administrado por funcionários do governo, pois estes detinham a gerência da capela.

2) passaram-se 50 anos sem que fosse pregada nenhuma missão.

Missionários alemães põem a casa em ordem...

Após 1889 foi normalizada essa situação, e pôde-se iniciar a renovação na fé e na disciplina, tão almejada pela Igreja. Como os sacerdotes eram - pelos motivos expostos - poucos e insuficientemente empenhados na evangelização, os bispos recorreram às congregações religiosas européias.

E para a Capela da Aparecida vieram da Alemanha, em 1894, dois padres redentoristas e três irmãos leigos. Com o carisma missionário que lhes é característico, os zelosos filhos de Santo Afonso de Ligório se adaptaram logo às peculiaridades de nosso povo, e começaram a dar vida nova à comunidade aparecidense. Esta correspondeu às expectativas, tributando-lhes toda admiração e apoio.

Coroa_NSRAAparecida.jpg
Coroa doada pela Prin-
cesa Isabel, em 1904
Com a chegada dos padres alemães - observa Zilda Ribeiro, p.55 - tudo mudou no Santuário e na Paróquia de Aparecida. Em 1897 o Pe. Valentim von Riedl escrevia: "Antes da nossa chegada não havia culto organizado, não havia missa diariamente e muito menos se atendiam confissões."

Os metódicos alemães instituíram horários para as missas, confissões e atendimentos, e colocaram ordem nas procissões etc. Sobretudo tocaram os corações dos fiéis com o pão de uma palavra autenticamente evangélica mas simples, que até os mais rudes entendiam. Seus louvores a Nossa Senhora eram muito apreciados pelo povo.

Os redentoristas, reforçados com a chegada de mais colegas, fundaram um seminário e puderam promover missões nas cidades e povoados vizinhos, irradiando assim a renovação espiritual sobre o bom povo de Deus.

E sobretudo foram consolidando o Santuário como o nosso mais importante centro de peregrinação, o que desfechou na solene coroação da imagem, em 1904. O título de basílica é dado ao santuário em 1908. Novo templo é construído, de 1955 a 1980, sendo chamado de Basílica Nova.

 

Associação Maria Regina Cordium